18 de Abr de 2017

Síndrome de Down

0 comentários

 

A síndrome de Down foi descoberta em 1862, e apesar de ainda estarmos em uma situação muito distante do ideal, nesse intervalo de 155 anos os avanços na ciência e na sociedade evoluíram de forma especial.

Dentre os 365 dias do ano, 21 de março foi escolhido para comemorar o Dia Internacional da síndrome de Down. Uma data que foi oficializada em 2006 com ampla divulgação mundial e que tem a finalidade de dar visibilidade a causa das pessoas com a síndrome, abordando temas importantes como o combate ao preconceito, inclusão social, saúde e qualidade de vida.

Essa data visa chamar a atenção principalmente das pessoas que são pouco informadas sobre o assunto. É de suma importância frisar que pessoas com síndrome de Down também tem suas personalidades próprias e individuais, gostos específicos, habilidades e vocações distintas, portanto, esteriótipos e rótulos não são benéficos para a propagação da igualdade.

 

A síndrome de Down é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior parte das células de um indivíduo. Isso ocorre na hora da concepção de uma criança. As pessoas com síndrome de Down, ou trissomia do cromossomo 21, têm 47 cromossomos em suas células em vez de 46, como a maior parte da população.

Pessoas com essa síndrome possuem características específicas e algumas podem apresentar problemas no coração (cardiopatia), problemas de audição/visão, atraso no desenvolvimento intelectual e na fala, dentre outros. São questões pontuais de saúde que devem ser detectadas e tratadas com médicos e terapeutas.

É importante frisar que pessoas com síndrome de Down podem evoluir e desenvolver suas capacidades pessoais e profissionais e viverem de forma autônoma. Na verdade são poucas as diferenças e muitas coisas em comum com quem não possui deficiência alguma.

 

Fonte de informações: Movimento Down

 

 

 

Posts Mais Recentes
  • Por Gláucia Tomaz - Musicoterapeuta na APAE Anápolis A Musicoterapia é a utilização da música num contexto clínico, educacional e social com o objetivo de ajudar, tratar ou prevenir problemas diversos, conforme necessidades apresentadas pelo paciente. Os musicoterapeutas trabalham com uma grande quantidade de pacientes. Entre estes, estão incluídas pessoas com dificuldades motoras, autistas, pacientes com deficiência mental, paralisia cerebral, dificuldades emocionais, pacientes psiquiátricos, gestantes, idosos, síndromes diversas, entre outros. O trabalho musicoterápico pode ser desenvolvido dentro de equipes de saúde multidisciplinares, em conjunto com médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e educadores. Os programas realizados na APAE Anápolis ​ Na APAE Anápolis, a musicoterapia atende aos seguintes programas: Estimulação Precoce, Regulação de Comportamentos e Aquisição de Requisitos Básicos Cognitivos e Comportamentais, Treino de Habilidade Social, Projeto Mães Que Cantam, Grupo de Expressividade Musical. O Programa de Estimulação Precoce tem o objetivo de desenvolver e potencializar através de técnicas específicas as funções corporais do bebê, beneficiando a linguagem, afetividade, a motricidade, a socialização, entre outros. A musicoterapia, com o uso da música, pode auxiliar a que o bebê processe os estímulos auditivos, facilitando na emissão das respostas emocionais e da percepção musical. Além de desenvolver as habilidades cognitivas, comunicativas, sociais, motoras e bem estar da criança. O Programa de Regulação de Comportamento e Aquisição de Requisitos Básicos Cognitivos Comportamentais tem como objetivo auxiliar a que o paciente consiga adequar o seu ser/estar no mundo de forma a se apresentar de forma social organizada, seja no contato visual, na habilidade de sentar e permanecer sentado, reduzir comportamentos disruptivos, auto e heteroagressividade e desenvolver habilidades básicas comunicativas e cognitivas para interação com o outro. O Treino de Habilidade Social objetiva trabalhar as habilidades em grupo, seja na participação de atividades grupais, na troca com o outro, no tempo de espera, na aceitação dos limites e competências individuais, na empatia, nas habilidades intra e interpessoais, psicomotricidade e música, emoção, socialização, cognição, entre outros. Projeto Mães que Cantam é um projeto em parceria interdisciplinar da Musicoterapia com a Psicologia, com o objetivo de trabalhar o vínculo mãe-bebê, devido ao luto da morte do filho ideal, em que são trabalhados conteúdos internos da relação da mãe e bebê e sua expectativa sobre diagnóstico e prognóstico. Grupos de Expressividade Musical é um projeto formado apenas por crianças com dificuldades motoras, cadeirantes, com dificuldades comunicativas, em que são trabalhados interação musical, expressividade, comunicação e percepção de si mesmo e do outro.
APAE Anápolis
apae anapolis melhores ongs

Fale conosco

Laboratório e administrativo

(62) 3098-2525

Escola, AME e CER III Reab. Física

(62) 3098-3535

CERIII

Reab. Auditiva e Intelectual

(62) 3943-6969

Acompanhe as novidades

pelas nossas redes sociais

Siga-nos