top of page

APAE ANÁPOLIS passa a oferecer serviços de reabilitação visual



A APAE Anápolis comemorou o fim de um processo que começou em 2017. A certificação pelo Ministério da Saúde como CER IV. A sigla quer dizer Centro Especializado de Reabilitação. Até agora, a unidade era certificada como CER III, estando apta a atender pacientes pata Reabilitação Física, Intelectual e Auditiva. Uma importante qualificação conquistada em 2013. Agora, soma-se à esse serviços a Reabilitação Visual. De acordo com o Gerente Administrativo e Financeiro da APAE ANÁPOLIS, Cláudio Silva Campos, um dos responsáveis pelo projeto, eleva a capacidade da instituição para 4 mil atendimentos de reabilitação por mês. “A certificação do Governo Federal foi rigorosa e exigiu o cumprimento de 117 requisitos. Por isso a demora na tramitação. Foi um grande esforço da nossa equipe e um marco a ser comemorado”, explicou ele.


Na prática, a APAE ANÁPOLIS passa a receber uma verba específica para essa finalidade, tornando possível o diagnóstico e o tratamento de pacientes, visando sua autonomia diante da deficiência visual. “Vamos oferecer serviços clínicos e ambulatoriais, além de ensinar a essas pessoas como desenvolverem formas de superar seus problemas, conferindo maior independência e mobilidade em suas atividades diárias”, disse o Presidente da APAE ANÁPOLIS, o jornalista Vander Lúcio Barbosa. De acordo com ele, uma equipe multidisciplinar composta por oftalmologista, psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta e pedagogo que vai cuidar de crianças, jovens e adultos, numa abordagem que vai desde a identificação do problema, passando pelo desenvolvimento de habilidades que melhorem sua qualidade de vida até o ensino do Braile e o apoio psicológico.


Entre os pacientes que vão contar com atendimento estão, por exemplo, crianças com cegueira congênita causada pela Toxoplasmose, pessoas que perderam a visão em parte ou totalmente, devido a doenças ou traumas diversos e idosos cujo sentido tenha se degradado por processos naturais. “O nosso grande objetivo é dar à eles autoestima, ferramentas para serem mais independentes em relação à outras pessoas e, em última instância, permitir que elas conquistem o mercado de trabalho”, resume Vander. Ainda segundo ele, com essa nova habilitação, a APAE ANÁPOLIS passa a ser o segundo CER IV do estado e o terceiro do CENTRO-OESTE. “Com essa aprovação, ficamos apenas no aguardo da emissão da Portaria, para que o trabalho seja iniciado nessa modalidade, que atenderá Anápolis e mais 09 municípios da região”, completa.


O processo de reabilitação visual abrange ainda a seleção, adaptação e concessão de auxílios ópticos, como bengala e prótese ocular, indicação de auxílios não ópticos, terapia multidisciplinar individual ou em grupo e adaptação para o uso da informática. Assim como os outros processos de Reabilitação, o trabalho social também se estende à família da pessoa com deficiência visual, buscando ampliar as possibilidades de desenvolvimento no contexto familiar, de acordo com suas especificidades e fortalecendo as relações internas e com a sociedade. O foco do trabalho está na utilização de estratégias voltadas ao fortalecimento das potencialidades e redução das vulnerabilidades dos familiares em relação à pessoa com deficiência no contexto social, direcionando suas ações para o alcance de determinado objetivo.


O trabalho é realizado em grupos familiares, considerando todas as especificidades de cada deficiência nos diferentes estágios da vida: infância, adolescência, fase adulta e envelhecimento. O entendimento da APAE ANÁPOLIS é de que, apoiando ações e valendo-se das oportunidades de inclusão em conformidade com os interesses, habilidades e necessidades individuais da pessoa com deficiência, a possibilidade de sucesso na sua inserção no mercado de trabalho aumenta sensivelmente, o que é considerado o estágio mais alto de independência que alguém com deficiência pode atingir. “Quando o deficiente consegue trabalhar, ele realmente se sente parte da sociedade, atingindo todo o seu potencial”, pontua o Presidente.


Mercado de trabalho


O serviço de inserção no mercado de trabalho existente no CER IV vai realizar atividades voltadas para a colocação da pessoa com deficiência em algum tipo de atividade laboral, sempre condizente com o potencial, condições físicas e aspirações dessa pessoa e, também, com a disponibilidade de vagas existentes no mercado. Esse serviço utiliza a metodologia de Emprego Apoiado. Essa metodologia surgiu há mais de 30 anos, nos Estados Unidos, como uma tecnologia social criada para promover a inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho. As ações do Emprego Apoiado envolvem assessoria, orientação e acompanhamento personalizado e individualizado da pessoa com deficiência, realizadas dentro da empresa e considerando a função exercida por ela no trabalho, de forma a garantir sua permanência no emprego nas mesmas condições de trabalho oferecidas às outras pessoas. Desta forma, a pessoa com deficiência é inserida/treinada, em vez de treinada/inserida, tendo alguém como apoio para facilitar o processo de treinamento em serviço.




Curtiu nosso conteúdo?

Torne-se um amigo apaeano!

Saiba mais

bottom of page